SEGUNDA FEIRA, 15 de junho

A nova PAC (Política Agrícola Comum) é uma oportunidade extraordinária para conseguir que a União Europeia premeie aquelas práticas agrícolas que ajudem a aumentar a biodiversidade e, por consequência, as espécies de caça menor. Os caçadores sabem disso e é por isso que a RFEC e a Fundação Artemisan elaboraram um documento explicando o que seria necessário fazer para tornar isso possível.

Por Nicolás Vicente Urbani Barrios, consultor técnico veterinário do RFEC e ARRECAL

A Política Agrária Comum (PAC) é a política comunitária com maior impacto financeiro e estrutural no nosso território (e, portanto, na vida selvagem e nas espécies de caça). É associada principalmente à recolha de ajuda económica por agricultores e criadores de gado - que devem cumprir as condições específicas de práticas agrícolas, biodiversidade, lavouras, fitosanidade, biossegurança, bem-estar animal... - esta política apresenta uma estrutura plurianual.

Atualmente, encontra-se em revisão a nível europeu, com o intuito de cumprir 9 objetivos estratégicos prioritários, entre os quais a promoção da biodiversidade, das áreas rurais vivas e meio ambiente, água e solo, etc.

OS ECO-ESQUEMAS, A GRANDE NOVIDADE DA PAC

Uma das principais inovações para o novo período do PAC são os eco-esquemas: um novo regime de pagamento para promover a proteção do meio ambiente e do clima através do orçamento dos pagamentos diretos dos Estados membros - no primeiro pilar da PAC -. Oferecem a possibilidade de conceder pagamentos diretos como incentivo aos agricultores e criadores de gado a adotarem práticas benéficas para o clima e o meio ambiente - acima dos custos incorridos ou da perda de lucro devido à adoção de tais práticas -, cujo conteúdo e orçamento será decidido por cada Estado.

Assim, a Real Federação Espanhola de Caça (RFEC) e a Fundação Artemisan coordenaram o projeto pioneiro e atualmente essencial para o setor da caça sobre as propostas da PAC após 2020: eco-esquemas e medidas agroambientais para a nova PAC, cujo objetivo é a recuperação da fauna menor e da biodiversidade.

DOCUMENTO ELABORADO POR CIENTÍFICOS, TÉCNICOS E ESPECIALISTAS

O documento foi preparado por uma equipa multidisciplinar de cientistas, técnicos e especialistas - adotando a estratégia 'ganhamos todos' - para alcançar a expressão máxima da sustentabilidade económica, social e ambiental do mundo rural em toda a Espanha.

Num esquema prático, apresentamos as medidas de melhoria ambiental incluídas neste documento, associadas principalmente à melhoria de abrigos e alimento, juntamente com a redução de impactos físicos, químicos ou biológicos negativos na fauna menor.

5 medidas para áreas de cereais

1. Margens multinacionais - aplicação também em culturas lenhosas de sequeiro e culturas tradicionais -: limites de 4 metros de largura, onde se planta pelo menos quatro espécies botânicas e se evita qualquer tipo de lavoura ou interação agrária durante 4 anos.

2. Colheita sustentável - também aplicável às culturas tradicionais -: deixe no mínimo 20 centímetros de altura quando for cortar com a ceifeira; evite cortar, embalar, até um mês após a colheita.

3. Pousios com vegetação - também aplicáveis ​​em culturas tradicionais -: promoção de pousios com preparo mínimo para sua manutenção agrícola.

4. Proibição de sementes blindadas - também aplicáveis ​​em culturas tradicionais -: uso de sementes não tratadas quimicamente com produtos para o controlo de pragas de fungos e parasitas, que foram cientificamente comprovados como prejudiciais às aves estepárias.

5. Diversificação de culturas: nas grandes explorações cerealíferas, seria de especial interesse a alternância de culturas leguminosas, lenhosas..., como uma melhoria geral do habitat - evita que o trabalho agrícola não seja concentrado em momentos específicos e aumenta a disponibilidade para abrigo e comida a longo prazo.

5 atuações no montado

1. Equilíbrio da carga animal: o excesso de densidade de animais de produção e / ou ungulados cinegéticos, afeta diretamente o estrato herbáceo, absolutamente necessário para a manutenção das espécies de caça menor.

2. Bancos de besouros - também aplicáveis ​​em áreas de cereais e culturas tradicionais - : dois montes de 50 centímetros de altura e 120 de largura, com uma separação de 270 entre eles, onde se realizam plantações botânicas; posteriormente essa área permanece como pousio.

3. Plantações de regeneração: o ecossistema do montado, é único a nível mundial devido ao equilíbrio agro-silvo-pastoril. Assim, o reforço nas áreas com menor extrato arbóreo - por exemplo, associado à patologia de floresta seca - com espécies autóctones do gênero Quercus, como sobreiro, sobreiro ou azinheira, é muito benéfico.

4. Melhoramento das pastagens: como comentámos no ponto anterior, para manter o equilíbrio ambiental as pastagens são essenciais e, para isso, podem ser melhoradas com a plantação de leguminosas, fertilizadas com esterco animal e pastoreio rotacional racionado.

5. Promoção de lagoas: o aumento da disponibilidade de pontos de água, preferencialmente seletivo entre as espécies; otimiza o bem-estar e a saúde do gado e da vida selvagem.

3 ações em culturas lenhosas de sequeiro

1. Ruas com cobertura vegetal: entre as linhas de plantação de oliveiras, amêndoal ou vinhas e transversal à linha de declive - para minimizar a erosão - mantenha a vegetação plantada ou espontânea.

2. Franja de legumes junto aos cursos de água - também aplicável em culturas tradicionais e áreas de cereral - : no caso de estar localizada nesta área geográfica singular, mantenha uma faixa de 5 metros de largura paralela a esses elementos hidrológicos com vegetação natural nativa.

3. Limitação da lavoura: esse trabalho agrícola é restrito entre 1º de março e 1º de outubro de cada ano.

3 medidas nas culturas tradicionais

1. Uso de cereais autóctones: variedades tradicionais, como o trigo do país, mais rústicas e adaptadas ao clima da região norte, e que podem ser associadas a produções de qualidade diferenciada.

2. Faixas não colhidas - aplicação também em áreas de cereais -: uma área de interesse ecológico, que favorece a nidificação, alimentação e refúgio da fauna.

3. Proteção de culturas: em algumas áreas, devido à superabundância, principalmente de javalis, será necessário estabelecer medidas de proteção contra danos agrícolas para permitir o desenvolvimento fenológico do cereal como cercas ou acordos com as sociedades locais de caça para controlo populacional.

É NECESSÁRIO CHEGAR A UM CONSENSO COM ADMINISTRAÇÕES, AGRICULTORES, PECUARISTAS, GRUPOS POLÍTICOS E AMBIENTALISTAS

O consenso e a elaboração destas medidas são a primeira etapa do projeto das Propostas do PAC 2020 do setor nacional de caça. Agora é necessário contar com o apoio de organizações agrárias, administrações nacionais e autónomas competentes, grupos políticos, entidades ambientais, a comunicação social e a própria sociedade urbana, para que um quadro financeiro adequado seja reservado na PAC para sua aplicação prática nos próximos anos.

O RFEC e a Fundação Artemisan apresentaram recentemente estas propostas ao Ministro da Agricultura, Pesca e Alimentação de Espanha; Além disso, as federações autónomas de caça estão transferindo-as para os seus respectivos conselhos competentes, e haverá próximos grupos de trabalho com organizações agrícolas...no sentido de obter o máximo apoio.

BENEFÍCIO PARA TODA A BIODIVERSIDADE COMO UM TODO

Deve-se realçar que essas medidas teriam um impacto direto na promoção da vida selvagem ligada aos ecossistemas agrícolas; ou seja, é claro que melhoraria o status da fauna de caça, como a perdiz vermelha, o coelho, a lebre, a codorniz, a rola brava, o tordo, o pato... mas também melhoraria substancialmente a conservação de espécies únicas e protegidas, como a abetarda, o sisão, o cortisol, etc...ou seja, para toda a cadeia alimentar agro-sistémica nacional.

Em conclusão, o documento apresentado melhoraria a orientação e garantiria resultados sobre os objetivos estratégicos da PAC: renda agrícola, áreas rurais vivas, proteção do meio ambiente, conservação da biodiversidade...Insistimos em que, com essas propostas, todos ganhamos.

Fonte: Jara y Sedal